sábado, 18 de Janeiro de 2014

Quer pernoitar num país europeu? Em Portugal destaca-se Portimão

Segundo uma análise do Trivago ao mês de Janeiro, Portugal é o 7.º país mais barato para se passar uma noite na União Europeia.


De acordo com os números divulgados pelo motor mundial de busca de hotéis Trivago, Portugal arrancou o ano com uma quebra de 3% nos preços face a Dezembro de 2013. Numa altura em que, segundo o portal, “se adensa o debate sobre as vantagens e desvantagens de um turismo de baixo custo”, uma noite num hotel português custa este mês, em média, segundo o mesmo portal, 73 euros, menos dois do que no final do ano passado e menos três do que em Janeiro do mesmo ano. O país é o sétimo mais barato para se pernoitar, na União Europeia. 

“Foi uma entrada em 2014 particularmente negativa para os hoteleiros europeus, com vários países, nomeadamente Espanha (82€), Holanda (101€) e Reino Unido (121€), a registarem os preços mais baixos dos últimos três anos”, lê-se na nota sobre o estudo mensal Trivago Hotel Price Index – que analisa a variação do preço médio por quarto duplo nos hotéis das principais cidades mundiais. 

Os custos de dormida em Portugal são “dos mais baixos desde 2011” mas, ainda assim, de acordo com o estudo, estes valores “igualam os de Fevereiro do ano passado, quando o custo médio de um quarto duplo era de precisamente 73€”. 

Esta descida generalizada de preços na União Europeia, segundo o Trivago, “ainda que possa ser um mau indicador para a indústria, é uma excelente notícia para quem quiser aproveitar a época baixa para viajar, sobretudo nos países referidos.”

Top dos mais baratos 

O top dos países mais baratos da Europa a 28 (preços médios por quarto duplo) é constituído pela Bulgária (56€), Polónia (56€), Malta (66€), Roménia (67€), Hungria (68€), Grécia (72€) e em sétimo está Portugal (73€). 

Nacionalmente falando e a contrariar a tendência nacional de redução dos preços, o destaque vai para Portimão, que foi a região com os melhores registos, com um aumento dos preços de 21,7% relativamente a Dezembro de 2013. 


Também a Covilhã verificou um aumento de quase 3% (de 78€ para os actuais 80€). Porém, diz o Trivago, “este valor está, ainda assim, muito longe do que se registava por esta altura no ano passado, quando pernoitar na cidade às portas da Serra da Estrela custava 104€ por noite.” 

As restantes regiões a contrariar esta tendência, de acordo com os dados do portal Trivago, são: Braga (+5,8%), Lagos (+4,5%), Faro (+4,2%), Coimbra (+1,85%), Estoril (+1,6%) e Guimarães (+1,5%). 

Já a capital portuguesa cai quase cinco pontos percentuais face ao último mês, para uma média de 79€. Os preços para pernoitar no Porto caíram 1,7%, para os 57€. 

Destinos apelativos 

Se pretende fazer uma viagem internacional, aconselha o Trivago, Viena e Londres apresentam reduções elevadas em relação a Dezembro (17% e 16%, respectivamente), tornando-se “destinos particularmente apelativos”, com preços médios por noite a cifrar-se agora nos 105€ e 163€, respectivamente. 

Já as cidades alemãs de Frankfurt e Colónia registam aumentos “bastante consideráveis” (32% e 25%, respectivamente), com um quarto duplo a ultrapassar os 130€ em ambas as metrópoles. 

Os dados deste estudo do portal Trivago, segundo o comunicado, são “preços médios de hotel para cidades, regiões e países” e têm por base os “valores fornecidos por mais de 200 sites de reserva e cadeias de hotéis”. O cálculo dos dados é efectuado com base nos “mais de dois milhões de pesquisas diárias realizadas no serviço de comparação de preços do Trivago”.


domingo, 15 de Setembro de 2013

Ambulância vira e fere bombeiros

Dois elementos dos Voluntários de Lagoa tiveram de ser desencarcerados da ambulância pelos colegas. A chuva que caiu na região originou vários acidentes

A ambulância do INEM, ao serviço dos Bombeiros de Lagoa,
capotou no acesso à EN125

A ambulância do INEM, que estava ao serviço dos Bombeiros Voluntários de Lagoa (BVL), tinha acabado de sair do Hospital de Portimão, onde fora em missão de socorro, e seguia já para outra emergência quando se despistou e virou, no acesso à EN125. Na viatura seguiam dois jovens ‘soldados da paz’ da corporação de Lagoa, que ficaram feridos e encarcerados.
A forte chuva que caiu na região, ontem de manhã, contribuiu para o acidente: "O piso estava escorregadio e a ambulância começou a deslizar, descontrolada, acabando por tombar", explicou ao CM Vítor Rio, comandante dos Bombeiros de Lagoa.
O despiste ocorreu pelas 09h00. Os dois feridos – um bombeiro e uma bombeira, ambos na casa dos 20 anos – ficaram presos dentro da ambulância virada e tiveram de ser desencarcerados pelos próprios colegas. "Tivemos de cortar o vidro da ambulância para os resgatar. Eles apresentavam diversas escoriações e havia suspeita de que um deles tivesse um braço partido", revelou o mesmo responsável, que frisou ter o acidente "ocorrido a baixa velocidade", a cerca de 40 km/h.
Na mesma zona, pouco depois, ocorreu outro despiste, de uma viatura ligeira. Neste caso, contudo, a condutora saiu ilesa.
A chuva causou dezenas acidentes na região, na sua maioria pequenos ‘toques’. Mas, nas Ferreiras, às 05h45, uma colisão entre dois ligeiros causou ferimentos em duas pessoas. Noutra, pelas 09h30, em Albufeira, ficaram feridas mais duas. 



sexta-feira, 21 de Junho de 2013

Luís Carito, vice-presidente da Câmara de Portimão, fica sujeito a prisão preventiva

Luís Carito, vice-presidente da Câmara de Portimão, fica sujeito a prisão preventiva, enquanto os restantes arguidos ficaram apenas com Termo de Identidade e Residência. 


Luis Carito fica em preventiva até que haja condições para lhe seja aplicada a medida de prisão domiciliária com uso da pulseira eletrónica.

Os restantes quatro arguidos, também ouvidos ontem e hoje pelo juiz Carlos Alexandre, do Tribunal Central de Instrução Criminal de Lisboa, saíram em liberdade mas ficam sujeitos a TIR, a medida de coação mais leve aplicável, sendo também impedidos de contactar uns com os outros.

No caso do vereador Jorge Campos e do administrador da Portimão Urbis Lélio Branca, o juiz determinou ainda que ficam suspensos das suas funções públicas, o mesmo acontecendo com o vice-presidente da Câmara de Portimão. Carito fica ainda impedido de sair do país.

Os cinco – Luís Carito, Jorge Campos, Lélio Branca e ainda os empresários Luís Marreiros e Artur Curado – são suspeitos de corrupção, administração danosa, branqueamento e participação económica em negócio», no âmbito da Portimão Urbis, segundo informou ontem a Procuradoria Geral da República.

Na quarta-feira, na sequência de uma operação coordenada pelo DCIAP (Departamento Central de Investigação e Ação Penal), da PGR, a Polícia Judiciária fez buscas nos gabinetes do vice-presidente e vereador da Câmara de Portimão, bem como nas suas residências e ainda nos escritórios da Portimão Urbis.

Na sequência da operação, acabaram por ser detidas cinco pessoas – Luís Carito, Jorge Campos, Lélio Branca, bem como Luís Marreiros, administrador da CinePicture Portugal Studios SA, e Artur Curado, administrador da Central Picture Portugal SGPS.

Ambos estão ligados ao projeto da chamada Cidade do Cinema em Portimão, promovida no âmbito da Portimão Urbis, e que tudo indica estar na génese das investigações policiais que levaram às buscas e detenções de ontem.

Na quarta-feira, a meio da tarde, a Câmara de Portimão tinha admitido, em comunicado, que as buscas da PJ estão relacionadas com «um processo que corre termos na Justiça e que teve origem em denúncias anónimas, efetuadas em 2011, envolvendo a atividade empresarial da Portimão Urbis EM».

As investigações da PJ às atividades da empresa municipal Portimão Urbis, onde Luís Carito e Jorge Campos são, respetivamente, presidente e vice-presidente da Assembleia Geral em representação da Câmara, remontam a 2012, tendo já sido feita uma anterior busca às instalações da autarquia. À data dos factos (2011), Carito e Campos eram membros da administração daquela empresa municipal.

quarta-feira, 27 de Março de 2013

Portimão: Reconstrução do Retail Park custa 20 milhões

Já passaram mais de seis meses desde que o Retail Park de Portimão foi destruído por um violento incêndio, mas quase todos os destroços continuam por remover. 


Após uma longa investigação da Polícia Judiciária (PJ), que afastou a hipótese de crime, decorrem agora as perícias das seguradoras, revela o “Correio da Manhã” esta terça-feira. 

Rui Alpalhão, presidente da Fundbox (fundo imobiliário proprietário do retail), garantiu que existe a intenção de reconstruir o espaço comercial, mas "ainda não é possível avançar um prazo" para o início das obras. E acrescenta que está em causa "um investimento elevado", na ordem dos "20 milhões de euros". 

Este responsável adiantou que os trabalhos de remoção dos destroços decorrem "à medida que são concluídas as perícias". Além da seguradora do retail, que é inglesa, cada uma das sete empresas que funcionavam naquele espaço têm as suas próprias seguradoras, o que torna o processo mais moroso. 

Até agora, os trabalhos de remoção incidiram sobre a megaloja do Continente. A urgência desta intervenção resultou do facto de haver produtos em decomposição. 

A investigação da PJ concluiu que o fogo se deveu a causas naturais, apontando para um sobreaquecimento nas instalações elétricas de uma loja.


sábado, 23 de Março de 2013

Estacionamento do Centro de Saúde de Portimão vai finalmente ser pavimentado

A pavimentação do troço em frente à entrada para o novo Centro de Saúde de Portimão, usado como estacionamento, é uma das obras que integram o concurso público para trabalhos de beneficiação em diversos arruamentos da cidade, anunciou hoje a Câmara de Portimão.


A abertura do concurso público foi «aprovada recentemente em reunião da Câmara Municipal de Portimão», acrescentou a autarquia.

Este procedimento tem por objetivo efetuar um conjunto alargado de reparações dos pavimentos de diversos arruamentos no concelho de Portimão.

As intervenções, que têm um preço base global de 270 mil euros, deverão estar todas concluídas antes do próximo verão, tendo sido já aprovado o respetivo caderno de encargos.

Os utentes do novo Centro de Saúde de Portimão, a funcionar desde fins de maio do ano passado, há muito tempo que reclamam junto da autarquia a pavimentação do espaço usado como estacionamento, que no verão é um mar de pó e no inverno de lama.


sexta-feira, 8 de Março de 2013

Autarquia reduz serviço de transportes públicos

O serviço de transportes públicos do município de Portimão vai ser reduzido. A câmara lamenta a decisão que teve de adoptar, por causa dos prejuízos acumulados. Os trabalhadores temem agora pelos postos de trabalho.
A Câmara Municipal de Portimão invoca prejuízos da ordem dos 4 milhões anuais para reduzir o serviço. 
O chamado "vai e vem", o serviço de autocarros que faz o transporte urbano, será reduzido para metade: de 42 viaturas passam apenas a ser 22.
Isso implica a redução de carreiras, de horários e de cobertura geográfica.


O Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes Rodoviários, pela voz de Elvino Valente, dirigente regional, diz que a empresa Frota Azul, a quem a autarquia atribuiu o serviço, já afirmou que não exclui o despedimento de efetivos.
Para já, está a propor a alguns trabalhadores a deslocação para Faro.
A autarquia, segundo o Sindicato, já deve cerca de 10 milhões de euros à empresa rodoviária. A TSF contactou a Frota Azul, mas não obteve qualquer resposta. 
Num comunicado, a câmara de Portimão, apesar de assumir que a reestruturação vai alterar o dia a dia dos utilizadores, garante que está a fazer um esforço para minimizar o impacto da medida.
As alterações aos transportes urbanos de Portimão entram em vigor no dia 16 deste mês.